Cabeça Erguida

Um silêncio absoluto
Se fez em lágrimas
Lágrimas
Lágrimas
Uma raiz se soltou deixando um vazio
Numa ressonância
Profunda em minha alma.

Mãe, você se foi
O seu corpo,
A sua voz,
Mas não a sua essência,
A sua história,
A sua alma
Sempre presente;
Um gesto protetor a todos

Uma fonte de alimento
No acolher,
Sarar as feridas
Uma palavra
Um incentivo
Uma força imperativa
De empurrar para frente
“Cabeça erguida”

Assim dizia a quem consolava…
Mesmo que o dia pareça sem sol com a sua ida:
Olharei o horizonte,
Sentirei a sua presença
O seu perfume
E escutarei o seu chamado:
“Cabeça erguida”…

Suzete Brainer (Direitos autorais registrados).

Meus Livros Publicados:

https://amzn.to/3W0KhEL

Deixe um comentário